De tempo somos

Pictograma-teatro“É necessário estar sempre bêbado. Tudo se reduz a isso; eis o único problema. Para não sentirdes o horrível fardo do Tempo,que vos abate e vos faz pender para a terra, é preciso que vos embriagueis sem cessar. Mas de quê? De vinho, de poesia ou de virtude. Contanto que vos embriagueis (…)”.

(Charles Baudelaire)

“De Tempo Somos – um sarau do Grupo Galpão”

Sonho antigo do grupo, o novo trabalho reúne reflexões sobre a passagem do tempo e a criação artística e 25 canções de montagens mais antigas do Galpão como “Corra enquanto é tempo” (1988) até trabalhos recentes, como “Tio Vânia” e “Eclipse” (ambos de 2011), além de músicas que fizeram parte de workshops internos do grupo e chegam a público pela primeira vez.

Uma cantoria de atores à beira do rio, em noite de lua cheia, durante uma das inúmeras turnês da companhia pelo Vale do Jequitinhonha, foi inspiração para a criação do novo trabalho do Grupo Galpão. Com direção de Lydia Del Picchia e Simone Ordones, o experimento foge ao rótulo de um espetáculo, lançando aos atores do grupo o desafio de se reinventar, em cena e na relação com o público. Mais próximo de um sarau literário musical, “De Tempo Somos” traduz um antigo projeto do Galpão de celebrar, em formato prático e reduzido, o encontro da música com o teatro, que se tornou uma marca do grupo, em mais de 30 anos de história.

Com direção musical e arranjos de Luiz Rocha, os atores cantam e executam, ao vivo, 25 canções de trabalhos mais antigos como “Corra enquanto é tempo” (1988) e “Álbum de Família” (1990), passando por “Romeu e Julieta” (1992), “Um Moliére Imaginário” (1997), “Partido” (1999), até espetáculos mais recentes como “Tio Vânia” e “Eclipse” (ambos de 2011), além de músicas que surgiram em workshops internos e que chegam a público pela primeira vez. “A cantoria é a celebração do encontro, da festa, da disposição para seguir em frente (apesar de tudo que nos faz pender para o chão!), do espírito libertário e contestador inerente a toda reunião festiva”, explica Lydia Del Picchia.

A etimologia da palavra “recordar”, que vem do latim “recordis”, significa passar de novo pelo coração. Segundo Simone Ordones, várias músicas que marcaram o repertório de espetáculos do grupo são revisitadas e recontextualizadas: “o foco desse sarau não é nostálgico, mas visa o futuro, o que está por vir; celebra o que foi feito para apontar possíveis caminhos para o futuro”, explica.

A cantoria vem acompanhada de textos escolhidos por Eduardo Moreira e Lydia Del Picchia que falam da passagem do tempo e do estado embriagado e libertador que é inerente à criação artística. Reflexões e poemas de Eduardo Galeano, Anton Tchékhov, Olga Knipper, Calderón de la Barca, Charles Baudelaire, Manuel Bandeira, Nelson

Rodrigues, Jack Kerouac, Paulo Leminski e José Saramago compõem esse caleidoscópio em que os atores do Galpão compartilham, com o público, suas indagações e vivências artísticas.

ELENCO

Antonio Edson, Beto Franco, Eduardo Moreira, Fernanda Vianna, Lydia Del Picchia, Luiz Rocha (ator convidado), Júlio Maciel, Paulo André, Simone Ordones.

*Inês Peixoto (atriz curinga)

EQUIPE DE CRIAÇÃO

DIREÇÃO: Lydia Del Picchia e Simone Ordones

DIREÇÃO MUSICAL, ARRANJOS e TRILHA SONORA: Luiz Rocha

PESQUISA DE TEXTO: Eduardo Moreira

FIGURINO: Paulo André

PREPARAÇÃO VOCAL: Babaya

PREPARAÇÃO CORPORAL: Fernanda Vianna

ILUMINAÇÃO: Rodrigo Marçal

DESIGN SONORO: Vinícius Alves

AULAS DE PERCUSSÃO: Sérgio Silva

ASSESSORIA NA CENA “A CARTEIRA”: Diego Bagagal

ASSESSORIA DE ILUMINAÇÃO: Chico Pelúcio

REVISÃO DE TEXTOS: Arildo de Barros

VOZ EM OFF: Teuda Bara

Arranjos baseados em arranjos originais de Babaya, Ernani Maletta e Fernando Muzzi, do repertório musical do Grupo Galpão.

Fragmentos de textos: Eduardo Galeano, Charles Baudelaire, Olga Knipper, Jack Kerouak, Nelson Rodrigues, Anton Tchékhov, José Saramago, Paulo Leminski e Calderón de La Barca.

Agradecimentos: Carlos Del Picchia, Coven, Fernanda Werneck, Liliane Rebehy, Márcio Medina, Mônica Ribeiro, Tim Rescala, Wilson Lopes, Marcelo Alvarenga, Cia Pierrot Lunar e Suzana Bastos. Agradecemos especialmente a Babaya, Ernani Maletta e Fernando Muzzi que foram responsáveis pela introdução e desenvolvimento da música em nosso teatro.

MÚSICAS DO ESPETÁCULO

Lua (A Rua da Amargura – 1994)

Autor: Mabel Velloso e Roberto Mendes

A Viagem (Partido – 1999)

Canção oriental

Sobre arranjo original de Ernani Maletta

Serra da Boa Esperança (Pequenos Milagres – 2007)

Autor: Lamartine Babo

Canto da viúva Begbick (Um Homem é um Homem – 2005)

Autor: Bertold Brecht

Vem te encontrar (Partido – 1999)

Canção oriental

Arranjo original de Ernani Maletta

Canção dos atores (Um Molière Imaginário – 1997)

Autor: Fernando Muzzi

Sobre arranjo original de Fernando Muzzi e Ernani Maletta

Taina (Eclipse – 2011)

Canção tradicional russa

Sobre arranjo original de Ernani Maletta

La Gran Tirana (Um Molière Imaginário – 1997)

Autor: C. Curet Alonso

Alabama Song (Um Homem é um Homem – 2005)

Autor: Kurt Weil

Boneca Cobiçada (Corra enquanto é tempo – 1988)

Autor: Biá e Bolinha

Rock dos médicos (Um Molière Imaginário – 1997)

Autor: Fernando Muzzi

Arranjo original de Fernando Muzzi e Ernani Maletta

O Sole Mio (A comédia da esposa muda – 1986)

Canção tradicional italiana

Não se iluda (O inspetor geral – 2003)

Canção tradicional russa

Sobre arranjo original de Ernani Maletta

Despedida da Ama (Partido – 1999)

Canção oriental

Sobre arranjo original de Ernani Maletta

Tema de Pamela (Partido – 1999)

Canção oriental

Sobre arranjo original de Ernani Maletta

Maninha (Romeu e Julieta – 1992)

Folclore

A última estrofe (Romeu e Julieta – 1992)

Autor: Cândido das Neves

Sobre arranjo original de Fernando Muzzi e Babaya

Lua Branca (Romeu e Julieta -1992)

Autor: Chiquinha Gonzaga

Nas ondas do Danúbio (Romeu e Julieta -1992)

Autor: Ivan Ivanovitch

Cinzas no Coração (Album de Família – 1990 / Romeu e Julieta – 1992)

Autor: André Filho

Sobre arranjo original de Fernando Muzzi e Babaya

Flor, minha flor (Romeu e Julieta – 1992)

Folclore

Sobre arranjo original de Fernando Muzzi e Babaya

É a ti flor do céu (Romeu e Julieta – 1992)

Autor: Teotônio Pereira e Modesto A. Ferreira

Sobre arranjo original de Fernando Muzzi e Babaya

Amo-te muito (Romeu e Julieta – 1992)

Autor: João Chaves

Sobre arranjo original de Fernando Muzzi e Babaya

Panis et Circenses (Workshop com diretor Paulo José – 2002)

Autor: Caetano Veloso e Gilberto Gil

Sobre arranjo original de Ernani Maletta

Yo vengo a ofrecer mi corazón (Tio Vânia – aos que vierem depois de nós – 2011)

Autor: Fito Páez

GALPÃO E PETROBRAS

Há mais de 10 anos, o Grupo Galpão conta com o patrocínio da Petrobras. Foram muitos espetáculos montados, temporadas nacionais, turnês por todas as regiões do Brasil e presença em festivais proporcionados por essa parceria. Maior empresa brasileira e maior patrocinadora das artes e da cultura no país, a Petrobras sempre apostou no compromisso do Galpão: reinventar a vida através da arte, possibilitando ao maior número de pessoas a vivência do teatro como alegria e transformação.

GRUPO GALPÃO

ATORES

Antonio Edson

Arildo de Barros

Beto Franco

Chico Pelúcio

Eduardo Moreira

Fernanda Vianna

Inês Peixoto

Júlio Maciel

Lydia Del Picchia

Paulo André

Simone Ordones

Teuda Bara

EQUIPE

Gerência executiva – Fernando Lara

Coordenação de produção – Gilma Oliveira

Coordenação de planejamento – Luiza Firmato

Coordenação de comunicação – Beatriz França

Coordenação administrativa – Wanilda D’artagnan

Coordenação técnica e iluminação – Rodrigo Marçal

Produção executiva – Beatriz Radicchi

Cenotécnico – Helvécio Izabel

Sonorização – Vinícius Alves

Analista de comunicação – Ana Carolina Diniz

Assistente de produção – Evandro Villela

Assistente de planejamento – Roberta Henriques

Assistente financeiro – Cláudio Augusto

Assistente administrativa – Andréia Oliveira

Auxiliar técnico – William Teles

Recepção – Cídia Santos

Serviços gerais – Lê Guedes

Consultoria de planejamento – Romulo Avelar

Assessoria jurídica – Drummond & Neumayr Advocacia

Gestão financeira de projetos – Fernanda Werneck

Assessoria contábil – Maurício Silva

A Petrobras é patrocinadora do Grupo Galpão